QUANTOS JÁ PASSARAM POR AQUI

contador de visitantes

sábado, 25 de fevereiro de 2012

PRECE AO ESPÍRITO SANTO (Especial, ouça até o fim)

Esta semana, depois da QUARTA-FEIRA de CINZAS, aprendemos que quando se trata de Jesus Cristo, nosso ideal supera as expectativas da vontade e com esta canção, que vem para ser um auxílio para começar uma boa quaresma, aos que estiveram como eu no Retiro Renascer deste ano de 2012, comecem rezando a letra desta canção como se fosse uma oração. Inspirada no clássico "Veni Creator", esta canção foi composta em 1977 por cima do tema original de modo a facilitar a sua recitação em Igrejas. Diretamente do LP "Profetas da Alegria" e com superinterpretação do Reinaldo Cominato, esta pérola volta à vida neste humilde blog.

video

Espírito criador,
visita a vida dos teus.
nos corações que criaste
derrama a graça de Deus.

Ó fogo que vem lá do alto,
Teu nome é consolador,
unção espiritual,
perene sopro de amor.

Por Deus pai prometido,
Poder és de Sua mão;
os teus sete dons são fonte
de nossa vida e oração.

Louvemos ao Pai celeste,
ao Filho que triunfou,
e a quem, de junto do Pai,
à santa Igreja enviou

Acende o lume das mentes,
infunde em nós teu amor.
A nossa carne tão frágil,
sustenta com Teu vigor.

Mantém longe o inimigo,
conserva em nós tua paz.
A Ti queremos por guia
A vida em Ti se compraz.

Ao Pai e ao Filho possamos
em tua luz conhecer.
Dos dois Tu és o Espírito,
o sol de todo saber.



Extraída do LP "Profetas da Alegria"
P. 1977 - Edições Paulinas Discos
Não há tentativa de infração à gravadora, apenas caráter evangelizador

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O ESPÍRITO SANTO DE UM CARNAVAL DIFERENTE

Esta semana de Carnaval, para muitos foi de diversão, para outros, foi de descanso, mas para quem participou de retiros, principalmente o da Comunidade Católica Shalom no Colégio Sagrado Coração de Maria a experiência valeu por toda uma vida. De Sábado (18) a Terça (21) jovens, adultos, idosos e até mesmo afastados da Igreja puderam vivenciar um momento de êxtase da experiência de Deus. “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça” (Lc 8, 8). Quando fui convidado pelo Allan Phablo, ainda hesitei somente em via de fazer laboratório com a experiência. Porém quando o segundo convite chegou, a partir de um segundo servo da comunidade, Pedro Silvestre, o interesse aumentou. O jantar-show reuniu jovens ao redor de um palco e visitantes ao redor de um altar para a missa de abertura, presidida por Dom Mariano Manzana. Não tive a oportunidade de comparecer ao Sábado de Abertura, nem da manhã de Domingo, por compromissos acertados de última hora. Ao domingo à tarde, ingressei no Seminário de Vida no Espírito Santo achando que seria somente uma palestra. Acabei virando fã do pregador Jorge, servo da comunidade que prontamente deu palavras de sabedoria e de ensinamentos, dizia ele, só é Católico de Verdade quem evangeliza e parte para a missão e não quem simplesmente vai a uma missa ou outra. Pouco a pouco fui conhecendo a estrutura do evento no dia seguinte, que contava também com espaço para confissões individuais, aconselhamento e oração e com a Capela do colégio aberta para orações particulares. Além de ter uma estrutura montada inteiramente para cursos de jovens, casais e vocacionais para quem participa pela segunda vez em diante do evento. Quantos não já passaram pela experiência da Adoração ao Santíssimo, tão comum no Santuário do Coração de Jesus no Centro ou no dia de Corpus Christi, onde ele percorre a cidade nas mãos do Bispo? Pois saiba que esta adoração no evento é um convite á Obra Nova que Deus quer realizar e realiza. Com servos o tempo todo se revezando para impor orações sobre você e sobre outros irmãos, às vezes sinalizados, a oração do Espírito Santo (em línguas) se resume numa experiência que pode tanto lhe emocionar quanto tocar seu coração. Na manhã da Segunda, participei da adoração do meu cantinho e vieram dois servos orarem por mim. As frases penetraram em meu consciente como se fosse exatamente o que eu gostaria de ouvir. Foi uma experiência, à princípio tocante, mas ao final surpreendente que eu passei, mas o principal ainda estava por vir. Também me sinto muito grato à moça grávida que se sentou ao meu lado na segunda pela manhã que me convidou ao Grupo de Oração da Paróquia de São João Batista no bairro Doze Anos, quando entrar de férias da faculdade farei uma visita. À tarde eu percebi que Deus estava preparando um jeito de me dizer o caminho. Eu consegui pegar naquela tarde a palestra ministrada por Tiago Duarte da metade para o fim, pois um imprevisto me fez atrasar-me. Logo que cheguei, ele pediu para levantarmos as mãos e orarmos, nisto se aproximou mais uma serva e orou em línguas, revelando logo após a frase que eu estava querendo ouvir naquele momento. Também comecei a olhar a tarde de uma maneira diferente. Logo após, uma pregação com um Às 17h00 como nos outros dias, à hora da Adoração, o pregador pediu para nos aproximarmos da mesa onde estava exposto o Santíssimo. Logo que eu comecei a me aproximar, começaram os servos a orarem em outros irmãos convenientemente espalhados em redor da mesa abaixo do palco. Quando fechei os olhos, quatro servos, um atrás do outro começaram a se aproximar de mim e cada um rezando, dizia uma frase que me fazia estremecer nas bases e a cada vez mais gritar interiormente. Quando a quinta serva se aproximou, ela disse nos meus ouvidos a última farpa que ainda estava em meu coração, um vício antigo e que há mais de dez anos me torturava, razão pela qual eu já estava passando há 5 anos sem comungar. Isto foi uma experiência inédita, pois pela primeira vez, não fui eu que procurei o aconselhamento, e sim ele que me procurou, no meu lugar eu teria fugido desta conversa, e não nego que estava com receio de contar intimidades, mas eu queria pelo menos me abrir. No dia seguinte, a Terça Feira, após a primeira palestra da manhã, fui procurar a Rosineide (inclusive agradecendo a ela e ao irmão que eu me esqueci o nome (é normal)) pela oração. Chegando lá, conversamos e depois de alguns minutos, a oração começou e então um crucifixo foi posto em minha mão e eu me emocionei quando ela disse que a visão que ela tinha nas orações era de Nossa Senhora das Graças, em cima do globo e rodeada pelo aro de ferro assim como nas aparições a Santa Catarina Labouré em 1830. Isso mexeu muito comigo, pois eu acredito nas promessas feitas pelo Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarida Alacoque e acredito nos Amigos/Videntes de Nossa Senhora de Medjugore (também conhecida como Nossa Senhora Rainha da Paz), porém nunca havia testemunhado que ela estivesse pela primeira vez se revelando (além de toda a minha vida, pois desde os 14 anos sou devoto de Nossa Senhora de Guadalupe. Depois disso, andei para a quadra onde foi feita a efusão marcando o terceiro dia de Renascer. Entrei na fila para receber orações, tendo recebido um empurrãozinho abençoado da Rosineide. Quando começaram a orar por mim, pedi ao Senhor um sinal particular mas ao mesmo tempo público de que sua graça estava ali. Tentei me ajoelhar, mas minhas pernas ficaram duras e eu me estirei no chão. Aquele foi o momento mais indescritível da minha vida. Assim como também uma menina que subiu ao palco momentos depois também caiu ao chão e ficou contemplando quieta. Pela tarde, foi montado espécies de minicenáculos onde nós partilhamos alguns conhecimentos e bênçãos alcançadas e agradeço muito à Márcia que nos mostrou que sua família é regida por aquele em quem acreditamos e buscamos. Logo após, foi a vez dos comentários finais e testemunhos. Aquela menina imóvel no palco deitada, disse a frase que todos nós gostaríamos de ter dito, “Deus é o Cara!”. Todo jovem deveria realizar esta experiência. Também me senti honrado em receber o convite, mesmo que inconsciente de duas consagradas de oração do Apostolado do Sagrado Coração de Jesus da Paróquia do Alto de São Manoel, hoje, eu acho que vou procurar um apostolado também, além de ser minha devoção primária, e depois dele o Divino Espírito Santo, o apostolado me chamou atenção. Tirei também minha dúvidas em favor de minha vontade até a alguns meses de entrar para o Sacerdócio, porém Deus enviou um recado através de Rosineide, “que eu não usasse o sacerdócio como rota de fuga da minha solidão ou da minha timidez, pois eu iria cada vez mais precisar de coragem para tal.” Enfim, resumindo, uma bênção maior que esta, só acontecendo de novo mais três dias de retiro, pois a rotina nos toma muito dessa fé que nos falta. A todos os irmãos servos da Comunidade Shalom o meu abraço e aos irmãos Allan Phablo e Pedro Silvestre e ao Alan Rodrigues, que eu conheci por lá juntamente com outros já amigos, um débito que eu sei que nunca vou conseguir pagar, inclusive convidei o Allan para me acompanhar no próximo sacramento que irei receber, o da Crisma, tornando-se assim meu padrinho. Já me convidaram para grupos internos do próprio Shalom, mas eu pelo calma, ainda é muito cedo para optar por uma radicalidade de minha parte por este caminho, embora eu já esteja na beira dessa estrada. Com calma, eu sei que Deus escutará as preces do mundo e aí, nó veremos os frutos dessa experiência chamada Renascer. Deus abençoe a todos e até um próximo artigo, se Deus quiser.

Pedro Augusto de Queiroz
Bacharelando do 4° Período de Ciências Sociais

PARA QUEM VOLTA DO CARNAVAL...

Estaremos inaugurando com este post, uma parte inteiramente voltada para salmos e contemplação.  A cada duas semanas, um salmo ou fragmento da Sagrada Escritura será postada para reflexão. Começaremos esta semana com o salmo 73 que me foi "literalmente" enviado por Deus em oração, durante minha estadia no Retiro Renascer promovido pela Comunidade Católica Shalom no Colégio Sagrado Coração de Maria.


Para quem volta do carnaval, a vida volta aos poucos, para quem ficou em casa, a vida nunca parou, para quem volta de retiros, a vida está só começando. Para esta quarta feira de cinzas, um pequeno momento de reflexão para você que se achou ou não ainda com Jesus. Reflita sobre isso e busque outros salmos, afinal, o livro mais acessível do mundo está ao alcance de quem quiser, é só se deixar levar pela mensagem da Palavra de Deus. Reze por aqueles que você conhece após ler e também por aqueles que você imagina que necessitem de orações. Fique com Deus.


SALMO 73

1.[ Salmo de Asaf. ] Sim, Deus é bom para Israel, o Senhor é bom para os puros de coração.
2.Mas quase tropeçaram meus pés, por um nada vacilavam meus passos.
3.Pois comecei a ter inveja dos arrogantes, vendo a prosperidade dos maus.
4.§ Para eles sofrimento não existe, sadio e bem nutrido é seu corpo;
5.não sofrem as labutas dos mortais, não são atingidos como o resto dos homens.
6.§ Como colar os cinge o orgulho, como veste os envolve a violência;
7.seu olhar desponta de sua gordura, transbordam as ambições de seu coração.
8.Zombam, falam com malícia, com soberba ameaçam de cima.
9.§ Levantam sua boca até o céu e sua língua percorre a terra.
10.Por isso no alto estão sentados e a enchente não os atinge;
11.e dizem: “O que é que Deus sabe? Acaso o Altíssimo toma conhecimento?”
12.Assim são os maus, sempre tranqüilos, só fazem aumentar o seu poder.
13.§ Então foi em vão que conservei puro meu coração e que na inocência lavei minhas mãos?
14.Sou molestado o dia todo e castigado cada manhã.
15.§ Estava quase dizendo: “Vou falar como eles”. Mas assim estaria traindo os filhos teus.
16.Pensei, pois, nesse problema, porém achei difícil demais para meus olhos.
17.Até que entrei no santuário de Deus e entendi qual era o fim deles.
18.De certo, tu os pões num chão escorregadio e assim os fazes cair em ruína.
19.§ Como ficam reduzidos a escombros num instante! Caem por terra, destruídos pelo terror.
20.Como um sonho ao despertar, Senhor, quando te levantas, desprezas a figura deles.
21.§ Quando meu coração se amargurava e nos meus rins sentia dor aguda,
22.eu era imbecil, ignorante, como um animal diante de ti.
23.No entanto, estou sempre contigo; tu me tomaste pela mão direita.24.Com teu conselho me guias e depois na glória me recebes.
25.§ Que tenho eu em meu favor no céu? Fora de ti, ninguém mais desejo sobre a terra.
26.Minha carne e meu coração desfalecem; rochedo do meu coração e minha porção é Deus para sempre!
27.Pois os que se afastam de ti perecem, destróis os que são infiéis a ti.
28.Quanto a mim, minha felicidade é estar perto de Deus. Ponho no SENHOR Deus o meu refúgio, para que eu possa contar todas as suas obras.


Extraído de http://www.bibliacatolica.com.br/02/21/73.php   -  Versão e Tradução da CNBB.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

A CRUZ QUE FALOU COM SÃO FRANCISCO

A EXPERIÊNCIA ENTRE AS IMAGENS E O MODO DE ORAR DOS CONSAGRADOS E PADRES MEXE COM QUALQUER CULTURA E É CLARO, NÃO PODEMOS ESQUECER OS ÍCONES, QUE SÃO PORTAS PARA UMA AURA DE CONTEMPLAÇÃO DO MISTÉRIO DOS SANTOS. ESTE PEQUENO TEXTO DE FRADES BENEDITINOS ILUSTRA BEM ALGUNS SIGNIFICADOS POSSÍVEIS PARA AQUELE QUE SERIA O MAIS ENIGMÁTICO DOS ÍCONES, A CRUZ DE SÃO DAMIÃO QUE REPOUSA ATUALMENTE NA BASÍLICA DE SANTA CLARA DE ASSIS, ONDE HÁ MAIS DE 700 ANOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS SE ENCONTROU COM CRISTO E TEVE A REVELAÇÃO DE SUA VOCAÇÃO E DE SUA VIDA.

ABAIXO, UMA FOTO DA CRUZ ORIGINAL EM ASSIS NA ITÁLIA E DEPOIS, PROSSEGUE O TEXTO.

CLIQUE NA FOTO PARA AMPLIÁ-LA À SUA RESOLUÇÃO ORIGINAL




Cruz de São Damião

Um artista italiano desconhecido pintou no século XII num pano colado sobre uma madeira de nogueira a Cruz de São Damião Ele possui 2,10m de altura, 1,30m de largura e 12cm de espessura. Provavelmente o Crucifixo permaneceu na Igreja de São Damião até que as irmãs Pobres, em 1257, o levaram consigo à nova Basílica de Santa Clara.
Guardaram-no no interior do coro monástico por diversos séculos. No Ano de 1938, a artista Rosária Alliano restaurou o Crucifixo com grande perícia, protegendo-o inclusive contra qualquer deterioração.
Desde 1958, o Crucifixo original de São Damião está guardado com grande zelo pelas irmãs Clarissas. Ele está sobre o altar, ao lado da capela do Santíssimo, na Basílica de Santa Clara, protegido por vidro, e é visitado por estudiosos, devotos e turistas do mundo todo. É um monumento histórico franciscano e universal.

Teologia da Luz
O grande destaque do Crucifixo de São Damião são os seus enormes olhos. São grandes, brancos, têm linhas pretas e vermelhas acima e abaixo para se destacarem mais.
São olhos de amor, de paz, que se dirigem para todos, mesmo os que estão longe, oferecendo a luz de Deus.
O jovem Francisco deve ter ficado extasiado com tanta luz deste Cristo. É Jesus na Cruz, é Jesus na ressurreição e é Jesus na Ascensão. Sempre luminoso.
Porque ele é “a luz que brilhou nas trevas” (Jo 1,9-10)
A luz do Crucificado fez Francisco olhar para si mesmo e perceber que, lá dentro, tudo era escuridão. Sem que se desse conta, a luz de Deus já fizera com que aprendesse a olhar para dentro.
Então, Francisco orou:
“Sumo e soberano Deus, iluminai as trevas do meu coração. Dai-me uma fé reta, esperança certa, caridade perfeita, bom senso e conhecimento, Senhor, para que eu cumpra o vosso santo e verdadeiro mandamento.
São Francisco orando diante do Crucifixo de São Damião, na concepção artística de Gioto, na basílica do Santo em Assis.
No Crucifixo de Francisco e Clara há o mínimo de Sangue: é o que brota das chagas e nos liberta da obsessão de querermos ser deuses.
É um sangue que se derrama sobre todos, até sobre os Anjos, porque todos precisamos dele, nós que temos uma vida alimentada por seu Corpo e Sangue.
Chamamos a atenção para o fato de que, no ícone de São Damião, o sangue brota sempre como uma flor, que traz vida para o mundo. É um sangue que já não martiriza o Crucificado; enaltece o Ressuscitado.
As chagas dos pés de Jesus derramam o sangue de vida sobre outras pessoas representadas na parte de baixo da cruz. A única ainda identificável é São Pedro, sobre quem Jesus edificou o seu povo novo.
Nesta parte do crucifixo estão representados os Santos da terra, que segundo o evangelho de São João estavam ao pé da Cruz: Nossa Senhora e São João à esquerda, Maria Madalena, Maria mãe de Tiago e o centurião à direita.
À esquerda, em tamanho bem menor, está o soldado São Longino, que teria dado a lançada em Jesus.
A direita há outra figura pequena, em que alguns vêem um sumo sacerdote, em atitude petulante, provocando Jesus para descer da cruz.
Maria Madalena tem a cabeça quase encostada com a da outra Maria, porque lhe confia um segredo ou porque comentam a ressurreição, de que foram as primeiras testemunhas.
Maria, mãe de Tiago representa todo o grupo de mulheres que sempre seguiram Jesus e cuidavam dele. Muitas delas estavam ao pé da cruz.
O centurião não tem auréola. Por alguns é interpretado como o centurião que comandou a crucifixão de Jesus e mostra três dedos porque reconheceu a Deus depois da crucifixão. Para outros é o centurião bondoso cujo filho Jesus curou.
Detalhes: um galinho e uma fogueirinha poderiam estar indicando que a figura abaixo é São Pedro, que negou Jesus junto à fogueira e ouviu o galo cantar. Foi testemunha da ressurreição.
As conchinhas, que cercam todo o ícone, eram símbolos da vida eterna, porque costumam ser bonitas e duráveis. Parece que foram acrescentadas à tábua original.
Nos dois extremos horizontais da cruz de São Damião, estão duas figuras semelhantes, que se dirigem a Jesus. Há discordância na sua interpretação. Alguns vêem dois anjos, que estariam no túmulo quando Maria Madalena e a outra Maria foram preparar o corpo de Jesus com mirra e foram as primeiras testemunhas da ressurreição.
Outros, como nós, vêem as santas mulheres. Os ícones da ressurreição costumavam representar as “myrrophores”, isto é, as que levavam mirra.
O Cristo de São Damião não está morto, É o Cristo que, morrendo, venceu a morte. Por isso, não tem coroa de espinhos, derrama o sangue, mas não está todo ensangüentado, tem os pés bem plantados, os cabelos bem arrumados e os braços em posição de oração.

Na iconografia síria, de onde é originado este crucifixo, a ressurreição era simbolizada por um caixão aberto. Por isso, ele também repousa sobre um fundo negro, mas, todo luz, é vencedor da morte.
Um sinal da vitória e da ressurreição neste ícone é o pano que reveste Jesus: Sua construção é bem elaborada, com um nó caprichado e debruns de ouro. De fato, os crucifixo mais antigos costumavam representar Jesus com paramentos sacerdotais e até mesmo com vestes régias, usando uma coroa de ouro na cabeça.
Jesus está dentro de um círculo vermelho. É nosso mundo. Jesus está saindo dele: seus pés, um acima do outro demonstram que está subindo. Como está com a cabeça e a mão direita fora do círculo, está saindo do nosso mundo. Chegando junto aos santos e ao meio-círculo da Trindade, está entrando no mundo do mistério, que ainda temos que descobrir para ir tendo vida plena.
No alto da Cruz, três círculos se sucedem, diminuindo de baixo para cima. O Crucificado-Ressuscitado é o maior e mais próximo. O da ascensão já menor, porque está mais longe. O do Pai e do Espírito Santo, além de ser o mais afastado e, por isso, menor, contém só a metade de baixo.
Nós não vemos o Pai e o Espírito Santo, porque eles são comunicados na Palavra, que é Cristo, o Filho. Sobre o Pai e o Filho, só sabemos o que o Cristo revelou, e há muito mais – toda uma outra metade, para nós ainda virmos a conhecer.
Sob a mão direita de Jesus, dois anjos parecem conversar, fazendo gestos de admiração. Devem estar comentando o amor imenso de Jesus pela humanidade, pois deu sua própria vida por ela.
Mas também podem estar comentando que a crucifixão e ressurreição de Jesus tiveram resultado muito maiores, pois o sangue da mão direita, brotando da chaga como uma flor, também cai sobre eles.
Sob a mão esquerda de Jesus, outros dois anjos equilibram os seus companheiros do lado esquerdo.
Dá para observar que esse braço da cruz está fora do alinhamento. Talvez queira mostrar que em nossas vidas sempre há um lado “esquerdo”, falho.
O encontro com o crucifixo de São Damião foi a maior transformação na vocação inicial de São Francisco. Ele passou a ver a presença do Crucificado em toda parte.
Por isso rezava sempre quando encontrava uma cruz:
“Nós vos adoramos, santíssimo Senhor Jesus Cristo, aqui em todas as vossas igrejas que estão em todo o mundo, e vos bendizemos, porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo”. (1Cel 45)
O Crucifixo que São Francisco e Santa Clara encontraram na igreja de São Damião iluminou as suas vidas e até hoje traz a luz de Deus para muitas pessoas!

Fonte: Texto: Frei José Carlos Corrêa Pedroso, OFMCap
Montagem: Irmã Magali Gavazzoni FCM e Frei Cícero Araújo da Silva - OFMCap


TEXTO EXTRAÍDO DO SITE:
ÚLTIMO ACESSO EM 19/02/2012

FOTOGRAFIA EXTRAÍDA DO SITE
ÚLTIMO ACESSO EM 19/02/2012

JAVÉ, JÁ VOU, JÁ VAMOS

Nesta postagem especial de carnaval, vamos relembrar o sentido do semeador que está em todos os retiros e missas celebradas neste período do ano. Rezemos por todos os que caíram na folia, sempre respeitando sua decisão e rezando para que retornem com a mesma energia à vida cotidiana e nós, recarreguemos a nossa Fé em Deus Salvador com mais esta pérola que só o Blog "A Arte Católica de Mossoró" traz prá você direto do passado.

video

JAVÉ, JÁ VOU
Antônio Fracisco Maciel

Um homem semeia a dor, outro recolhe a cantar
Aquele é o plantador, este é o que vai ceifar
Chegou a hora, o presente é o tempo de se começar
Eu vou agora, o futuro dá fruto se hoje eu plantar

Eu tenho um caminho, a vida
E tenho a verdade, a fé
Eu tenho esperança nascida
Na forte mão de Javé

Eu tenho a rede, o barco
E tenho um mar diferente
As montanhas da vida eu escarpo
Vou ser pescador só de gente

Não preciso de muita bagagem
Nem línguas estranhas falar
O perdão é a minha mensagem
Nos caminhos por onde eu andar

Se a terra já está preparada
E o trigo querendo nascer
Vou deixar minha arquibancada
De paz plantador quero ser



Extraída do LP "Caminheiro"
P. 1980 Paulinas-COMEP
Sem tentativa de infração à gravadora, apenas caráter evangelizador